Escola Paulista de Medicina
Postgraduate Program Name

A experiência na graduação da UNIFESP

Por Prof. Dr. Valdir Reginato

Este trabalho intitulado “Espiritualidade e Saúde: uma experiência na graduação em Medicina e Enfermagem” desenvolvido por Valdir Reginato e Dante Marcello Claramonte Gallian. Os autores introduziram uma disciplina eletiva de Espiritualidade e Medicina para estudantes de medicina e enfermagem com o objetivo de uma conscientização desta abordagem no paciente, visando um atendimento mais humanizado. Em quatro anos (2007-2010) 114 estudantes frequentaram a disciplina, sendo 63 de medicina (28 homens e 35 mulheres) e 51 de enfermagem (todas mulheres). Avaliou-se por questões objetivas de múltipla escolha o significado que os estudantes davam ao tema previamente, e posteriormente a repercussão do curso para o seu futuro profissional. O estudo evidenciou que os estudantes verificaram a importância da espiritualidade do paciente no processo saúde-doença e da formação profissional, mais destacada pelas estudantes de enfermagem em relação aos de medicina. Dos participantes, 95% recomendaram o curso para todos estudantes da área da saúde.

O campo da espiritualidade é novo nas universidades do Brasil, desconhecido pela maioria, mas os resultados com os estudantes de medicina e enfermagem na UNIFESP mostram que eles sentem a necessidade em aprofundar a questão pela importância que registram e pela falta de preparo na graduação reconhecida pela carência de cursos específicos. Nos quatro anos, (2007 a 2010), o curso contou em média com trinta alunos inscritos em cada ano (número máximo de vagas para uma eletiva na UNIFESP). Deve-se advertir que este grupo apresenta algumas peculiaridades enquanto amostragem. São alunos que espontaneamente escolheram fazer a disciplina. Assim, não se pode considerar estes alunos como representativos do universo dos alunos na faculdade e sim apenas avaliar o interesse dos que optaram por cursá-la. No entanto, mesmo feitas estas ressalvas, alguns dados são interessantes e despertam atenção para algumas conclusões.

Em um contexto de mais de trinta disciplinas eletivas, 71% apontaram como primeira ou segunda opção na sua escolha. As estudantes de enfermagem demonstraram maior interesse (75% como 1ª e 2ª opções) do que os de medicina (68%).

Foi observado que 76% dos estudantes declararam alguma religião, 20% apontaram para o agnosticismo e 4% se declararam como ateus. Verificou que a opção de crença religiosa é significativamente maior dentre as estudantes de enfermagem (90%) do que entre os de medicina (65%). Nota-se que dentre os estudantes de medicina a maioria dos homens (54%) se declararam agnósticos (que acreditam em Deus, mas desvinculado de qualquer crença religiosa) ou ateus (que não acreditam em Deus), sendo responsáveis pela queda percentual da religiosidade do grupo, perfazendo 68% dos agnósticos e ateus do total de estudantes de medicina. No entanto, quando comparadas as estudantes (sexo feminino) de medicina com as de enfermagem, as primeiras também tem uma percentual mais elevado de agnósticas e atéias (20% ) em relação as outras (10%).

Quando a importância de Deus nas suas vidas, 72% consideraram muito importante, o que corresponde aproximadamente ao mesmo percentual dos que declararam alguma crença religiosa (76%), e dos que escolheram pela disciplina como 1ª ou 2ª opção (71%). Mais uma vez as estudantes de enfermagem acusam uma significativa diferença em relação aos de medicina, com 84% de muito importante contra 62%.

Quanto a distribuição dos estudantes segundo declararam a sua participação na pratica religiosa de suas crenças, aproximadamente metade do grupo se posicionou como não participativo ou esporádico (51%) e a outra metade (49%) com participação regular ou mais participativa. No aspecto geral, participação ou não, não ocorreu diferença significativa na participação (regular ou participativa) entre estudantes de medicina e enfermagem, (46% contra 53%). No entanto, quando analisamos os sub-itens não participativo ou esporádico, nota-se que os estudantes de medicina têm 71% de não participativo contra 63% das de enfermagem; enquanto nos sub-itens de participação (regular ou participativo) as estudantes de enfermagem têm 78% de participativo e 22% de regular, contra 55% de participativo e 45% de regular para os estudantes de medicina. Os dados confirmam uma maior participação da religiosidade no grupo de enfermagem em relação ao de medicina.

Foram apresentadas aos estudantes três opções para o conceito de Deus. Predominou o conceito de “Criador de tudo” (57%), seguido de “Energia Cósmica” (35%). As estudantes de enfermagem optaram preferencialmente para “Criador de tudo” (73%), e os de medicina se dividiram igualmente nas duas opções (44% e 43%). Do total, 4% consideraram uma “invenção humana” e outro tanto não respondeu. Enquanto que para “invenção humana” obtivemos 5 respostas dos estudantes de medicina , nenhuma foi assinalada pela enfermagem.

Foram apresentadas 20 assertivas sobre associações de fatos relacionados a espiritualidade para saber se os alunos concordavam (SIM) ou NÃO. No questionário de assertivas, concordo (SIM) e não concorda (NÃO), verifica-se que as questões pertinentes a existência da alma, vida após a morte, milagres, a relação da doença com a vida espiritual, influência da espiritualidade na vida profissional e na conduta ética, a distinção entre espiritualidade e psiquiatria, apresentam um resultado muito expressivo (em algumas quase a totalidade) a favor da importância dos temas para a formação quanto à espiritualidade na preparação profissional. Chamou a atenção, num grupo de estudantes universitários, 15% destes concordarem com a influência de “feitiçarias” e “endemoniados” como forma de adoecer.

Ao término do curso foi perguntado aos estudantes sob formas de alternativas, qual a repercussão que este havia provocado, e suas impressões quanto a necessidade desta disciplina na formação dos estudantes. As principais respostas são mostradas abaixo:

O curso fortaleceu as minhas convicções como um estudo indispensável para todos os estudantes, não somente como eletiva. 103/108 (95,4%)

O conteúdo colaborou tanto na formação profissional como pessoal. 103/108 (95,4%)

O curso foi recomendado para todos os alunos de Medicina e de Ciências da Saúde ou como curricular obrigatória. 102/108 (94,4%)

Além destas duas avaliações ao início e término do curso, os estudantes puderam a título de avaliação do conteúdo apreendido analisar, sob a ótica da espiritualidade, situações clínicas, que demonstraram um incremento na percepção dos mesmos em relação a necessidade de uma preparação adequada na graduação.

CONCLUSÃO

A separação entre o corpo e o espírito promovido principalmente pelo acelerado progresso científico-tecnológico, promoveu um empobrecimento na avaliação do paciente na globalidade integrativa das suas dimensões biológicas, psicológicas, sociais e espirituais. Se por um lado os recursos de aparelhos cada vez mais sofisticados ampliaram a nossa capacidade de penetrar no universo molecular da constituição humana, por outro eles favoreceram a uma diminuição na sensibilidade dos sentimentos pelo afastamento da imprescindível relação profissional da saúde-paciente.

No interior dos sentidos e dos sentimentos esconde-se a transcendência da natureza humana, manifesta na sua espiritualidade que pode se concretizar em ritos e devoções de uma crença religiosa. Esta influência no processo saúde-doença não pode ficar a margem do estudante que se prepara para uma visão holística na assistência do seu futuro paciente. Ao paciente esta percepção não foi retirada pela história do avanço tecnológico, assim como também não o foi ao jovem estudante que inicia os primeiros anos de estudo com uma prática fundamentada no modelo tecnicista.

A pesquisa com os estudantes veio reforçar que para uma preparação adequada do aluno que se dirige à área da saúde, o campo da espiritualidade não pode ser avaliado como curiosidade ou uma possibilidade, mas uma exigência necessária declarada pelos próprios estudantes. Exigência feita não somente para a formação profissional, mas como formação pessoal do aluno. A inserção de uma disciplina que colabore nesta formação poderá favorecer o desenvolvimento de futuros profissionais, que estejam mais atentos e aptos a acolher e a compreender as necessidades espirituais do paciente no seu processo saúde-doença, como um recurso a ser utilizado na melhora da qualidade do seu acompanhamento, oferecendo uma proposta concreta de solução as queixas frequentes da desumanização do sistema de saúde.

Alma, como a própria etimologia das palavras - salvação e saúde - se confundem. O desenvolvimento científico-tecnológico, principalmente a partir do século XIX, passou a impor uma visão biomolecular da vida, e consequentemente uma ação diagnóstica e terapêutica onde a abordagem espiritual fica omissa, ou supérflua. No entanto, assim não o percebe o paciente, que em sua angústia e sofrimento permanece, na grande maioria da população, pendente de suas crenças e valores para a superação do que a ciência não pode alcançar, quer em não sanar a inevitável finitude da vida, quer em oferecer um sentido para sua eternidade. Desta forma, não é retrógrado, pelo contrário, mas necessário, reacender na escuridão impenetrável pelos caminhos da ciência, a luz da espiritualidade na busca de oferecer ao paciente, senão a resposta ao seu sofrimento, um consolo para sua existência, e uma alternativa para perseverar na esperança.

Neste intuito, o CeHFi tem oferecido tanto na graduação, como disciplina eletiva, como na pós-graduação, cursos que possam fomentar a reflexão desta temática, promovendo trabalhos que possam colaborar para uma formação mais ampla do profissional, de avaliação da espiritualidade no processo saúde-doença no contexto atual, e de sua conscientização para uma assistência mais humanizada na área da saúde.

© 2013 a 2021 - Universidade Federal de São Paulo - Unifesp
Rua Loefgreen, 2032 - Vila Clementino, São Paulo - SP 

Please publish modules in offcanvas position.