Humanidades e Saúde 6: O que é próprio do humano? (2º sem. 2022)

Partindo da hipótese de que o processo de adoecimento do ser humano decorre, em grande medida, da experiência desumanizadora causada pelo esquecimento e desrespeito daquilo que lhe seria “próprio” ou “apropriado”, este curso propõe, a partir de uma imersão no patrimônio narrativo-literário da humanidade (tomando como ponto de partida a Odisseia de Homero), uma rememoração daquilo que seria próprio do humano como caminho de autoconhecimento e promoção de saúde em sentido integral.

 

Inscrições pelo formulário do CeHFi (comunidade e alunos especiais): de 4 a 29 de JULHO - ou até o fim das vagas

 

ATENÇÃO: Alunos REGULARMENTE MATRICULADOS na pós-graduação da UNIFESP devem fazer inscrição pelo SIIU: https://siiu.unifesp.br/

Humanidades e Saúde 6: O que é próprio do humano?

Disciplina Eletiva de Pós-Graduação para o Programa de Saúde Coletiva e demais programas de pós-graduação da UNIFESP

Professor Responsável: Prof. Dr. Dante Marcello Claramonte Gallian http://lattes.cnpq.br/6044992821022223

Promoção: Centro de História e Filosofia das Ciências da Saúde (CeHFi) / Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do Dep. de Med. Prev. da EPM

Período: 03/08/22 a 16/11/22

Horário: quarta-feira das 10:00 às 12:00hs

Carga horária didática: 26hs

Carga horária atividade: 74hs

Créditos:

Vagas: 30 (20 alunos matriculados / 10 comunidade)

Formato: on line

Local: Google Meet

Problematização e Objetivo do Curso:

Partindo da hipótese de que o processo de adoecimento do ser humano decorre, em grande medida, da experiência desumanizadora causada pelo esquecimento e desrespeito daquilo que lhe seria “próprio” ou “apropriado”, este curso propõe, a partir de uma imersão no patrimônio narrativo-literário da humanidade (tomando como ponto de partida a Odisseia de Homero), uma rememoração daquilo que seria próprio do humano como caminho de autoconhecimento e promoção de saúde em sentido integral.

Tomando como base e roteiro de estudo a obra É próprio do humano: uma odisseia do autoconhecimento e da autorrealização em 12 lições (fruto de uma pesquisa realizada nos últimos 20 anos a partir da leitura e discussão de clássicos da literatura universal enquanto meio de conhecimento do humano, humanização e promoção de saúde) o curso pretende propor um itinerário de reencontro com aquilo que seria próprio do humano, visando contribuir não só para o conhecimento humanístico de acadêmicos e profissionais da saúde, como também para o processo de humanização em saúde, tanto do ponto de vista teórico, quanto prático e vivencial.

Metodologia

Aula expositiva seguida de discussão a partir da bibliografia básica e complementar previamente indicada. O roteiro dos encontros seguirá o itinerário das 12 lições delineadas na obra É próprio do humano. Recomenda-se, portanto, a leitura prévia do capítulo correspondente a cada encontro, assim como das obras (ou trechos dessas obras) literárias e/ou filosóficas mencionadas em cada lição.

Programa:

Aula 1 (03/08): Introdução: A busca do que é próprio do humano como meio de autoconhecimento e promoção de saúde integral - as lições da literatura.

Aula 2 (10/08): Primeira lição: É próprio do humano ter de sair

Aula 3 (17/08): Segunda lição: É próprio do humano querer voltar

Aula 4 (24/08): Terceira lição: É próprio do humano ter fé e esperança

Aula 5 (31/08): Quarta lição: É próprio do humano saber refletir e discernir

Aula 6 (14/09): Quinta lição: É próprio do humano ser corajoso

Aula 7 (21/09): Sexta lição: É próprio do humano ser astuto

Aula 8 (28/09): Sétima lição: É próprio do humano ser curioso

Aula 9 (05/10): Oitava lição: É próprio do humano ser contemplativo

Aula 10 (19/10): Nona lição: É próprio do humano ser hospitaleiro

Aula 11 (26/10): Décima lição: É próprio do humano ser celebrativo

Aula 12 (09/11): Décima primeira lição: É próprio do humano saber conversar

Aula 13 (16/11): Décima segunda lição: É próprio do humano saber esperar e terminar

Bibliografia Básica:

GALLIAN, Dante. É próprio do humano: uma odisseia do autoconhecimento e da autorrealização em 12 lições. Rio de Janeiro, Record, 2022.

HOMERO. Odisseia. Tradução Frederico Lourenço. São Paulo: Penguin: Companhia das Letras, 2011.

Bibliografia Complementar:

ALIGHIERI, Dante. A Divina Comédia: Inferno. Tradução Italo E. Mauro. São Paulo: Editora 34, 2012.

ARISTÓTELES. A política. Tradução N. S. Chaves. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

As mil e uma noites. Tradução A. Diniz. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

BENJAMIN, Walter. “O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov”. In: _______. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. Tradução S. P. Rouanet. 3a ed. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BÍBLIA. Português. Bíblia de Jerusalém. 8a ed. São Paulo: Paulus Editora, 2012.

BLIXEN, Karen. “A festa de Babette”. In: _______. Anedotas do destino. Tradução C. de A. Leite. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia grega. Petrópolis: Vozes, 1987, v. III.

CERVANTES, Miguel de. O engenhoso fidalgo D. Quixote de la Mancha. Primeiro Livro. Tradução S. Molina. 3a ed. São Paulo: Editora 34, 2005.

CHEVALIER, Jean; GHEEBRANT, Alain. Dicionário de símbolos. Coordenação Carlos Sussekind. 2a ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1990.

COMPAGNON, Antoine. Literatura para quê? Tradução Laura T. Brandini. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

DE BATOS, Hesíquio. “Capítulos sobre a sobriedade e a vigilância”, n. 119. In: _______. Padres népticos: Filocalia. Tradução Luis Kehl. 2009. t. 1, v. II.

DE LA BARCA, Calderón. A vida é sonho. São Paulo: Hedra, 2007.

DOSTOIÉVSKI, Fiódor. O idiota. Tradução P. Bezerra. 4a ed. São Paulo: Editora 34, 2015.

DOSTOIÉVSKI, Fiódor. “O sonho do homem ridículo”. In: _______. Duas narrativas fantásticas. Tradução Vadim Nikitin. São Paulo: Editora 34, 2003.

DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Os irmãos Karamázov. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2008, v. 1 e 2.

ELIADE, Mircea. História das crenças e ideias religiosas. Tradução R. C. de Lacerda. Rio de Janeiro: Zahar, 2010, v. I: Da Idade da Pedra aos Mistérios de Elêusis.

ENTRALGO, P. L. “Vida, obra y persona de Gregorio Marañón”. In: _______. Obras completas de Gregorio Marañón. Madrid: [s. l.], 1965, v. 1: Introducción.

GALLIAN, Dante. “A desumanização do comer”. In: _______. Estudos Avançados, 2007, v. 21, p. 179-184. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0103-40142007000200015>.

GALLIAN, Dante. A literatura como remédio: os clássicos e a saúde da alma. São Paulo: Martin Claret, 2017.

GALLIAN, Dante. “O destronamento do coração: breve história do coração humano até o advento da modernidade”. In: _______. Memorandum (Belo Horizonte), 2010, v. 18, p. 27-36.

GOETHE, Johann Wolfgang von. Fausto: uma tragédia. Tradução J. K. Segall. São Paulo: Editora 34, 2007.

GOETHE, Johann Wolfgang von. Os anos de aprendizado de Wilhelm Meister. Tradução N. Simone Neto. 2a ed. São Paulo: Editora 34, 2009.

GRIMAL, Pierre. Dicionário de mitologia grega e romana. Tradução V. Jabouille. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1993.

GUIMARÃES ROSA, João. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do cansaço. Tradução Enio P. Giachini. Petrópolis: Vozes, 2020.

HUSTON, Nancy. A espécie fabuladora: um breve estudo sobre a humanidade. Tradução I. Heinberg. Porto Alegre: L&PM, 2010.

HUXLEY, Aldous. Admirável mundo novo. Tradução L. Vallandro e V. Serrano. São Paulo: Globo, 2014.

JAEGER, Werner. Paideia: a formação do homem grego. Tradução A. Parreira. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

JAEGER, Werner. Two Rediscovered Works of Ancient Christian Literature: Gregory of Nyssa and Macarius. Brill: Leiden, 1954.

KAZANTZÁKIS, Nikos. Vida e proezas de Alexis Zorbás. Tradução M. R. Donatello e S. Ricardino. 3a ed. São Paulo: Grua, 2011.

MACHADO DE ASSIS, Joaquim Maria. “O espelho: esboço de uma nova teoria da alma humana”. In: _______. Contos. Porto Alegre: L&PM, 1998.

MÃE, Valter Hugo. O filho de mil homens. São Paulo: Biblioteca Azul, 2016.

MANN, Thomas. A morte em Veneza. Tradução Hebert Caro. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

MONTESQUIEU, Charles-Luis de Secondat. O gosto. Tradução Teixeira Coelho. São Paulo: Iluminuras, 2005.

PASCAL, Blaise. Pensamentos. Tradução Sérgio Milliet. São Paulo: Abril, 1973 (Col. Os Pensadores).

PESSOA, Fernando. “Mar português”. In: _______. Mensagem. 13a ed. Lisboa: Ática Poesia, 1979.

PESSOA, Fernando. “O quinto império”. In: _______. Mensagem. 13a ed. Lisboa: Ática Poesia, 1979.

PIEPER, Josef. La virtudes fundamentales. 6a ed. Madrid: Rialp, 1998.

PLATÃO. A apologia de Sócrates. Tradução L. Rangel. São Paulo: Abril, 1972 (Col. Os Pensadores).

SARAMAGO, José. O conto da Ilha Desconhecida. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SHAKESPEARE, William. Hamlet. Tradução Millôr Fernandes. Porto Alegre: L&PM, 1997.

SHAKESPEARE, William. O Rei Lear. Tradução Millôr Fernandes. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2013.

SHELLEY, Mary. Frankenstein ou o Prometeu moderno. Tradução Adriana Lisboa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

SOUZENELLE, Annick de. O simbolismo do corpo humano: da árvore da vida ao esquema corporal. Tradução Frederico Ozanan Pessoa de Barros e Maria Elizabeth Leuba Salum. São Paulo: Pensamento, 1984.

TOLKIEN, J. R. R. O Senhor dos Anéis. Tradução Lenita Maria Rimoli Esteves e Almiro Pisetta. São Paulo: Martins Fontes, 2002, 3 volumes.

TOLSTÓI, Liev. A morte de Ivan Ilitch. Tradução Boris Schnaiderman. São Paulo: Editora 34, 2006.

© 2013 a 2022 - Universidade Federal de São Paulo - Unifesp
Rua Loefgreen, 2032 - Vila Clementino, São Paulo - SP 

Please publish modules in offcanvas position.